Memories

"Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido."

Published by 「ϻȝƚɋɣαɦȡ 」 under on 12:29:00



Sinto-me possuído por sua inocência... Seus sorrisos esboçados, a imagem dos seus lábios junto aos meus fazem-me sentir alegria e, ao mesmo tempo, paz sem igual.. Seus olhos traduzem a pureza, suas palavras proferidas são odes de amor..
Somente ao seu lado é que posso ser-me.


Ela – Beija-me uma vez mais.
Eu – Não posso...
Ela – Por que não?
Eu – Eu a amo como o último poeta para além dos mares, e tu me és absolutamente tudo; outros intentos não possuo senão o de fazê-la feliz sendo feliz – embora isto possa parecer egoísmo, não o é: sei, hoje, que não é preciso mais que minha felicidade para que tu sejas feliz, e a tua felicidade para que eu o seja também.. Mas, para estarmos juntos, seria necessário que soubesses-me um segredo de horror indizível...

Ela – Não importa! Todos os teus horrores não me retirariam os amores. Eu amo-te exatamente assim como és. Sou carente de ti.


O silêncio paira como uma densa sombra de enorme pesar. Adoro lê-la nas entrelinhas desta quietude profunda... Meu pequeno anjo.


(...)


3 ϻĭņđʼƨ:

Amelie. disse... @ 22 de junho de 2008 às 17:21

Talvez não carente; enamorada, sim. Há qualquer tipo de aceitação, não por uma fraqueza própria, mas pelo fruto de muito bem querer.

Lindo, lindo. Acho que nem devo mais expressar meus extremos de louvor aos seus textos, você bem sabe o quanto os amo. :)


Aliás, amo você também. ^^


Saudades intensas!
Preciso falar com você (L)²

itau disse... @ 24 de junho de 2008 às 23:23

quero um anjo desses pra mim
me da um de presente
o/

anima-te irmão...anima-te

Ana disse... @ 27 de junho de 2008 às 21:32

perfeitos, mano. seus textos, completamente perfeitos.
já disse, consigo senti-los muito
(L)

Enviar um comentário