Memories

"Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido."

Published by 「ϻȝƚɋɣαɦȡ 」 under on 16:39:00


De estender-se no celeste chão, da escuridão o manto, inicia-se o rito.

Contudo regozija-se ainda, com a da Luz e Treva a batalha, o firmamento:
De tons não claros, nem escuros tinge-se. Nem mesmo de Morfeu o grito
Deu ao intenso dia um ferino acalento.

---

Pego-me no de carvalhos talhado o parapeito da velha janela;
Em meio a suspiros, e ao amor entoadas canções,
Brilham as estrelas com maior intensidade; a Lua, dela
- antes, de seu transbordante mistério – preenchem-se dos poetas os corações;
Corujas permitem-se ser vistas, imponentes – seus grandes olhos ao infinito a fitar...
Do rio de fantasia as cristalinas lágrimas provém o som
Do vazio a ser preenchido pela virtude. Um rouxinol a cantar
Deleita-nos a alma – que imenso dom!
E absolutamente tudo neste momento é alegria:
Da pequenina gota de orvalho ao céu magno, bucólico,
Dimana a força das tempestades; a encantar-nos, Sofia
Líricos cânticos sussurra, quais a nossos ouvidos chegam através do eólico...

( ... )

2 ϻĭņđʼƨ:

Tay disse... @ 26 de agosto de 2008 às 17:15

Noffa, a última linha me lembrou quando cê me mostrou música gaélica (dels, era assim que chamava? @-@), um idioma lá que parecia com português, mas era pior :x
Saudades @-@ EAHUEAHEUAHEUA

;*

Lina :) disse... @ 31 de agosto de 2008 às 17:19

Uíu você gosta do arcadismo?
:)
Eu gostei do texto. Mesmo.
Você fez o ENEM hoje?

beijo :*

Enviar um comentário