Memories

"Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido."

Published by 「ϻȝƚɋɣαɦȡ 」 under on 00:26:00


O vento acaricia-me a face com seus gélidos dedos; eu sinto como se fosse o frio toque da morte que se espreita... Desejo que seja. Desde que ela partira para onde eu jamais poderei segui-la, os meus dias tornaram-se cinzentos como o céu – que, a propósito, parece estar a acompanhar o estado de minha alma: agitada, porém sem vida – nublada. Sim, não há melhor maneira de expressá-lo: a minh’alma está nublada, carregada de lágrimas – as tristes gotas da doce chuva -, de tempestades, barulho, agitação! Pois, no momento mesmo em que me pego desesperado por sua ausência, um grave silêncio e uma ancestral quietude abatem-se sobre mim, como se nada fosse mais que o próprio silêncio, o ouvir tão somente os batimentos do meu coração descompassado, e nada, nada mais. É nestes momentos que sinto uma forma de libertação aproximar-se sorrateiramente... O negro fantasma no qual se encerra tudo o que um dia fora possuidor da ardente chama da vida. E, afinal, o que a vida é senão uma vela acesa, cada vez menor, pronta a extinguir-se para sempre do mundo visual? Sou, por vezes, uma verdadeira incógnita: mas uma tão facilmente decifrável! No momento mesmo em que quero sentir pulsar em cada célula de meu corpo a vida, anseio sua fatal e mais contraditória percepção: a morte. Penso que eu exista nas entrelinhas de ambas... Mas, das duas a mais forte é a qual tem seu anjo mais próximo de mim, como esta obscura criatura que estende suas negras asas sobre todo meu corpo neste momento, imóvel, estática ao meu lado, com seus olhos – quais se assemelham a profundos lagos escuros em quais desejamos adentrar, mesmo sabendo da certeza da morte – horrendamente fitos em mim.

4 ϻĭņđʼƨ:

May disse... @ 28 de janeiro de 2009 às 00:43

Não vou deixar que anjo negro nenhum se aproxime de você. E tenho dito. Quero você muito, muito vivo. :)

No mais, seus textos são sempre épicos. Um bálsamo para os sentidos. Lindos, lindos.

Eu te amo muito, muito mesmo. (L)³¹²

Lina :) disse... @ 28 de janeiro de 2009 às 21:08

Belo texto.
Mas deu medo. Enfim.
Will, você tirou a rádio e a imagem?
Ficou bem melhor. :)

Beijo :*

Anónimo disse... @ 29 de janeiro de 2009 às 23:48

x_x
texto lindo, lindo.
cada vez mais, se isso for possível.

blog igualmente belo.
*: just like u *se esconde*.

bÿ: sua irmã, que ficou com preguiça de logar pra mandar o comment XD'~

I s r a e l disse... @ 7 de fevereiro de 2009 às 19:00

Will!!
Que texto!!
Nunca havia lido teu blog, mas agora voltarei sempre.

Abraços.

Enviar um comentário